Pages - Menu

Template temporário! Grata pela compreensão!

Retrospectiva do Ano de 2010

Achei muito bacana oque a nyd fez e resolvi imitar pois assim fica mais fácil perceber o quanto mudei, ou não. Minha memória não é muito boa, por isso raramente vou falar o dia, mas os meses estão certos...

Resumo desse ano de 2010:
Dezembro de 2009: Havia me apaixonado perdidamente por uma garota da minha escola, ela não gostava de mim então resolvi me aproximar das amigas dela e meu plano deu certo, fiquei com ela, mas isso foi em Setembro, só que depois daí não consegui mais sentir atração por homens e havia feito novas amizades e todas homossexuais, então achei estar sendo influenciada, apesar que eu havia me enfiado naquilo tudo. Descobri que iria morar em Minas Gerais-Uberlândia, e meu sonho era morar em Minas, nem me importava a cidade. Estava morando no Acre à 4 anos e havia enjoado dali, nada melhor do que uma mudança. Também Pensei que a mudança me faria ser hetero "novamente".

Janeiro: Até o meio de Janeiro estava fazendo as mudanças e vendendo algumas coisas que não poderiamos levar para Udia, mais anciosa que tudo, queria mesmo me mudar e ver o que o futuro me reservava, sempre com o pensamento focado em "ser normal". Estava completamente apaixonada pela garota de Setembro, mas sempre lidei muito bem com meus sentimentos e preferi me mudar, até porque eu não tinha escolha. Meus pais nem desconfiavam que eu havia ficado com garotas e isso me matava, esconder algo assim deles, e eu era totalmente certinha, fazia tudo certinho e coisas bobas como "ficar com o troco" me faziam sentir uma super vilã. Eu e minha família viajamos de carro do Acre para Udia e chegamos no dia 12, como não tinhamos casa, ficamos num hotel, muito bom por sinal (Hotel Apolo). Meu pai havia um "padrinho" do trabalho dele que nos ajudou a encontrar uma casa legal no Planalto, comecei a curtir o cara que devia ter uns 19 anos e não sei se era coisa da minha cabeça, mas ele pareceu gostar também, só que tinha namorada. Desisti. Férias, não sabia como seria a escola, a cidade, eu nem saía de casa, só ficava limpando meu quarto e tinha vergonha de sair de casa e ver os vizinhos, não sabia o que eles iriam achar de mim. Idiota.

Fevereiro: Começo das aulas, feliz e anciosa para ser hetero. Nos primeiros dias de aula fiz amizade com uma menina nerd, bem legal ela, achei que iria ser nerd (o oposto do ano passado) e pensei estar no caminho certo, talvez estivesse. Com o passar dos dias reparei numa garota loira que sentava mais na frente e ela me chamou a atenção, não como atração, mas ela parecia ser como eu, me identifiquei com ela. Ela era muito reservada e então comecei a investir numa amizade bacana, e deu certo. Me afastei dos nerds, não combinavam comigo. Essa menina loira (Ma) conhecia uma outra menina (Bb) que se diziam irmãs. Por mim tudo bem, mas elas pareciam mais um casal.

Março: As aulas haviam começado mesmo e eu estava me empenhando, eu e a Ma, inseparáveis, quase melhores amigas. Um belo dia a Bb e Ma deixaram escapar que tinham mães diferentes e eu nada boba perguntei: - Não eram irmãs? E elas responderam que eram primas. Aquilo me cheirava a gay, e eu até que gostava, mas meus planos de ser hetero ainda estavam em pé. Ficava olhando para os garotos, mas sempre que percebia que eles queriam algo me dava nojinho e eu saia. Apenas consegui namorar um garoto da minha sala pois ele era magrinho e meio afeminado, o namoro nao durou 2 semanas e devolvi a aliança para ele. Olhar aquela aliança me dava mesmo nojo. A Ma não falava nada, mas depois que terminei com ele ela começou a tirar sarro de mim, e com razão. Então desiludi e estava mesmo com sede de beijar alguém que fizesse meu tipo, então a Ma e Bb que já haviam me contado que eram namoradas, e eu havia deixado escapar que achava a Angélica do BBB gostosa, então resolveram arrumar alguém para mim, afinal eu não conhecia ninguém, total novata, mas me empolguei e no mesmo dia que iria ficar com a menina que elas arrumaram eu acabei ficando com outra na escola, e ela queria me levar para casa, então inventei uma desculpa pois iria encontrar a outra no terminal e a deixei sozinha. Fui para o terminal com a Ma e Bb, cheguei lá vi a menina, muito bonita, mas não rolou clima e eu estava suada e muito nervosa e ela toda cheirosa e linda. A gente ficou um pouquinho mas não deu certo. A garota da escola ficou comigo mais duas vezes, mas ela viu que eu não queria nada sério e me deixou de lado.

Abril: Comecei a fazer amizade com as vizinhas, todas idosas, e fofocavam da vida dos outros, principalmente das lésbicas do fim da minha rua. Eu não falava nada, mas queria mesmo conhecer mais sobre elas, eram tão lindas, mas nunca tinha chance e não iria manchar minha reputação de "hetero". Me sentia sozinha e falta da menina de Setembro, as vezes meio que perdia o controle do que sentia e chorava compulsivamente por causa dela, mas logo me reconstituia e fingia que nada havia acontecido. Fiquei com uma garota da escola, Sa, estavamos num romancezinho, ela queria coisa séria e eu só curtir então quando ela mandou a cartinha esperando uma resposta eu resolvi dizer que não e ela simplesmente sumiu da minha vida, até parou de ir na escola :x Comecei a me pegar muito à Bb, ficamos melhores amigas. Estava na praça da escola, a aula ainda não havia começado, então estava toda linda usando a pulseirinha gay, resolvi me assumir mesmo, e percebi que duas garotas ficaram me observando.

Maio: Numa bela noite, estava em casa, tédio, interfone tocou e falou: - É a sua amiga. Achei que era a Bb, minha única amiga mesmo, e fui toda desarrumada mesmo e sorridente, quando cheguei lá fora haviam umas 7 meninas, e uma mais parecia um menino, gelei e tirei o sorriso do rosto, troquei por uma carinha mais timida. Me convidaram para uma festinha que haveria na casa delas e adivinha quem era? As meninas lésbicas que moravam no fim da minha rua e mais as duas que haviam me olhado semanas atras. Pedi para meu pai e ele deixou com muita dificuldade, fui vestida completamente diferente de todo mundo lá, me senti muito deslocada mas elas faziam de tudo para me encaixar. A Gue me deu um pouco de ice e eu nunca havia bebido na vida, só a "espuminha" que meu pai me dava quando era pequena, já era hora, estava com 16, fui em frente e gostei de mais, parecia refrizinho e me embebedei naquilo. Minha mãe chegou super cedo e me levou para casa, conheceu todas as meninas lá e achou estranho mas preferiu não comentar. Ficou feliz que eu estava fazendo amigos, óbvio que ela não sabia que eu havia bebido.

Junho: Continuei frequentando a casa das minhas vizinhas e todos fins de semana (começando por sexta) ia para as festinhas e bebia e fazia coisas que prefiro não comentar. Infelizmente me apaixonei pela Gue e ela não queria nada comigo, levei na cara bonito pois toda vez que a via corria atrás dela e ela nada. Depois descobri que ela estava gostando de uma garota e então resolvi esquecer aquilo tudo e me afundei nas festas. Passei o dia dos namorados festeando. Comecei a frequentar aos domingos o arte na praça com Bb e meus amigos e mais as minhas vizinhas, confesso que me afastei um pouco da Bb nesse período. Comecei a fumar e aquilo me fazia sentir tão parte deles e tão "adulta". Percebi que não tinha apoio quando precisava e sempre me sentia sozinha, as minhas vizinhas eram muito legais mesmo, mas não eram amigas para todas as horas, foi quando nos afastamos e voltei a me apegar à Bb. Foi também quando estava voltando do curso para casa e passei por uma garota loirinha, eu andava meio pra baixo então sempre olhava para o chão, mas ela me chamou a atenção de tal forma que não pude evitar olhar para ela, e ela da mesma forma, nos olhamos e achei que iria acabar por ali mesmo, sabia que iria pensar muito nela, mas achava que se fosse do destino a veria outra vez, só que a amiga dela gritou: - Loirinha! Vem cá! Ae eu toda timida e trêmula não conseguia anotar a bosta do msn dela, Nt. No mesmo dia começamos a conversar e no outro dia marcamos de nos ver e já começamos a namorar. O namoro estava indo bem (aos meus olhos, pois a Bb sempre me avisava para não me envolver que as coisas estavam estranhas) até que a Nt me disse q uma ex dela iria vir e queria tirar satisfações e nada mais, eu senti coisa ruim nisso e falei para ela não ir ver a menina, quase implorei, mas ela queria porque queria ver.

Julho: Começo do mês a Nt foi falar com a ex dela e no mesmo dia terminou comigo. Guardei minhas lágrimas e sai para zuar. O que não chorei gastei correndo atrás dela igual uma idiota, foi quando comecei a fumar para valer, queria mesmo morrer, ficava com quem aparecia e não me importava com mais nada. Vida injusta, fria, cruel, ainda mais quando vi que a menina de Setembro já estava namorando com outra e nem sinal de sentir minha falta. SE FODE. Gastei minhas férias correndo atrás dela e sempre era a "segunda", quando a namo da Nt brigava com ela, ela saia comigo, mas só, e eu na esperança dela perceber que eu a amava e ficar comigo, mas nada. Quando a ex dela voltou para a cidade dela e a Nt ficou sozinha aqui, eu já havia cansado e não queria mais ela, revoltada com tudo, estava curtindo a vida. O que me deixava mais tranquila era saber que havia traido a Nt no primeiro mês nas festinhas e ela nem desconfiava disso. Ela que passou a correr atrás de mim, correu uma semana dizendo que havia mudado e me amava, adivinha? A idiota acreditou, na verdade nem acreditei mas gostava de mais para dizer não, e era tudo que eu queria ouvir. Meus amigos nem acreditaram quando disse que havia voltado com a Nt, muito menos minha mãe que disse que eu gostava de sofrer. Me senti sozinha naquela decisão, mas achei que era para valer.

Agosto: Comecinho de agosto eu e a Nt voltamos a namorar, não tava dando certo mesmo, eu queria que desse certo, ser feliz com ela, mas não dava. Sempre me sentia vazia ao lado dela e não sabia o que estava fazendo ali, ela não era mais parte de mim, na verdade parecia ser uma estranha, pois nem amizade tinhamos, era mais pegação. Não conseguia perdoar ela por tudo que ela havia me feito e resolvi sair e fiquei com algumas garotas naquela noite, me diverti tanto e me senti "vingada", achei que estava pronta para continuar, mas me enganei. Estavam me contando que a Nt estava ficando com umas meninas e eu sabia que era verdade, mas não queria acreditar, aquilo tudo me machucava de mais e eu queria mesmo sair daquela relação que me matava aos poucos, mas não tinha coragem, foi quando estressamos e terminamos. Rolo vai e rolo vem, voltamos, mas nada oficial, apenas voltamos. No dia que voltamos estavamos nos mimando perto do terminal quando uma amiga da Nt aparece com mais outra garota, eu mal prestei atenção, queria que elas fossem embora, estavam roubando a atenção da Nt de mim. Dias depois vi a Em, e descobri que era ex melhor amiga da Bb, que mundo pequeno. Comecei a gostar dela, mas ainda gostava muito da Nt e estavamos "namorando", mas o namoro tava uma bosta mesmo e eu não me importaria se traisse a Nt com ela, até acharia bom, porém foi melhor, essa garota me fez perceber que era hora de seguir em frente e resolvi terminar de vez com a Nt. Terminamos e ela ficou muito triste, mas tinha as mulheres dela para a consolar. Comecei a ficar amiga da Em, na verdade estava muito magoada, e mesmo gostando da Em não queria me envolver, então me mantive o mais fria e longe sentimentalmente possível, mas a amizade fluia a ponto de prometermos que jamais nos deixariamos de falar e não voltariamos com as nossas ex's. Quando as coisas estavam indo até que bem entra a gente a Nt resolve aparecer de novo, com as mesmas promessas de sempre, os mesmos papinhos, eu sabia que era tudo mentira e estava curtindo muito sair com a Em, fiquei dividida, mas eu não sabia se a Em realmente iria dar futuro e preferi voltar para a Nt. Não voltamos, apenas continuamos ficando, e era cada vez mais sem graça, e as vezes eu pensava na Em quando estava com ela.

Setembro: Nt não me fazia feliz, pelo contrário, só trazia tristeza, e meu refúgio era a Em, ela tinha toda razão se quisesse virar as costas para mim e mandar eu me fuder, afinal era isso que eu merecia mesmo pelo modo como a tinha tratado (um defeito meu, agir por impulso), mas ela não o fez, ela foi gentil comigo e até fui na sua casa e conversamos, foi quando a convidei para ir na parada gay. Era o seguinte, quando eu estava longe da Nt, eu queria a Em, mas era só ver a Nt que perdia o chão e me rendia, então fui na parada com ela, e foi a melhor coisa que pude fazer, pois ela já estava apaixonada por uma garota que ela estava ficando no mesmo tempo que ficava comigo, e eu vi ela beijando umas putas lá, revoltei e fiquei com duas meninas, depois vi a Em e era tudo que eu precisava para me sentir segura e feliz, passamos a parada inteira juntas, foi perfeito e mágico, eu amo cada detalhe. Ela teve que ir embora mais cedo e eu fiquei um pouco mais com a Bb e fizemos amigos, estaav descalça por causa que o salto havia machucado meu pé, e ele estava preto de asfalto, então me apelidaram de Pé de Toddy. Depois desse dia prometi para mim mesma que a Nt morreria em minha vida, e que a Em era o meu futuro, quem me faria feliz. Começamos a nos aproximar e a amizade foi crescendo, mas eu ainda estava muito machucada com o que havia vivido e por isso não era carinhosa com ela e as vezes era muito fria, tudo por causa do medo bobo. Como no ano passado, em Setembro as coisas começaram a desandar em casa, do nada meu pai resolveu sair de casa. Quando eu achei que estava pronta para ser eu mesma com a Em, acontece isso, era o que eu precisava para perder total confiança em qualquer relacionamento amoroso, por conta disso enrrolei a Em mais um pouco. O medo era mais forte que a vontade.

Outubro: A ex da Em começou a ir atrás dela, ela me contou por cima pois eu já estava mal por causa dos meus pais, me deu todo apoio possível, nem meus amigos conseguiram me consolar da forma que ela o fez, só com ela me sentia segura e por mais que sentisse vergonha, só conseguia chorar ao lado dela. Fui fraca e forte ao mesmo tempo, e incentivei minha mãe a seguir em frente com a vida, ela não conseguia. Tive que cuidar da minha irmãzinha e comecei a ficar sobrecarregada, explodia em casa e minha mãe que estava estressada brigava comigo, e eu desabafava com a Em, foi realmente muito difícil e sem Em eu não teria conseguido. Cada dia mais percebia que estava me apaixonando pela Em e isso realmente me assustava, eu queria e ao mesmo tempo não queria me envolver, eu a queria só para mim mas tinha medo dela me largar novamente, me mantive fria.

Novembro: Eu não estava bem, estava mesmo carente de atenção, e a Em sempre estava lá, até que derrepente ela sumiu um dia, dois, três... e isso não era normal, ela mandava msg todos os dias, nem que fosse uma, eu dizia que não queria que ela ficasse tão grudada em mim, mas na verdade eu gostava de tudo aquilo, e ela sumir aquela semana me fez uma falta danada. Foi quando aproveitei para tentar seguir em frente sozinha, como eu fazia ano passado, sozinha. Mas não dei conta, cada dia mais a ausencia dela me sufocava e só de imaginar ela com outra me irritava e me deixava profundamente triste, pois se aquilo acontecesse, era porque eu havia permitido, e não teria mais volta, tempo perdido. Porém eu criei coragem e deixei o orgulho de lado, eu fiquei confusa sentimentalmente, e eu não era assim, estava achando que a amava, apesar de ser cedo de mais, pois ninguém me fazia tanta falta assim, nem meu pai. Ela correspondeu, graças à Deus, e depois do sumisso voltamos a nos falar com mais intensidade e nos apegamos mais, percebemos o quanto realmente gostavamos uma da outra. No dia 11 ela no meu quarto, me pediu em namoro e disse pela primeira vez que me amava, claro que eu que incentivei /risos/. Foi lindo, começamos a namorar, perfeito, mágico, e nenhum sinal da Nt.

Dezembro: Namoradinha da Em, tudo lindo e rosas, não sabia o que lhe dar de Natal, eu odeio Natal, mas o presente tem que ser legal. Então queria mesmo desde o mês passado dar uma aliança para ela, mas não queria ir sozinha para não escolher algo que ela não gostasse mas não sabia como pedir sem forçar a barra. Ela adorou a idéia e compramos a aliança de compromisso, eu quase chorei antes de entrar na loja de nervoso e emoção /risos/. Eu surto muito por bobagem e geralmente porque quero muita atenção, sou uma eterna carente da Em, ela é minha vida e razão de viver, e as vezes quando estamos longe eu penso bobagens e parece que ela não me quer mais, é meio que loucura, mas é oque acontece, e eu começo a chorar sentindo falta dela e com medo de perdê-la, claro que a culpa não é dela, a gente se vê quase todo dia, o problema é comigo mesma, e eu tento lidar com isso da melhor forma possível, apesar de não estar sendo muito útil. Brigamos muitas vezes e quase terminamos umas duas por causa disso, e então resolvi que iria mudar, precisava mudar por nós, auto controle é a chave :x difícil

Nunca tive um namoro tão bom, meu ano foi bacana tirando o divórcio e ter conhecido a Nt, mas de resto foi legal, acho que precisava mesmo passar por tudo aquilo para conseguir me encontrar com a Em e ser completamente dela, como sou agora. Passando pelo que passei sei o valor que a Em tem na minha vida, e o quanto a amo e jamais vou perdê-la. NÃO VOU! HAHA ^^ Ela é minha, que se dane o resto. Pretendemos entrar no ano de 2011 juntas.